LEGISLAÇÃO SAPATOS

As Normas aplicáveis ao calçado para utilização profissional são:

  •          UNE-EN ISO 20345:2011
  •          UNE-EN ISO 20346:2014
  •          UNE-EN ISO 20347:2012

Estas normas especificam os requisitos básicos e opcionais para o calçado profissional de utilização geral. Inclui os riscos mecânicos, resistência ao deslizamento, os riscos térmicos e o comportamento ergonómico.

Para aplicá-las, utilizamos os métodos e ensaios descritos nestas outras quatro normas, que são:

  •          UNE-EN ISO 17075-1:2018 e UNE ISO 17075-2:2018 Couro. Ensaios químicos. Conteúdo em CR VI
  •          UNE-EN ISO 20344:2012 Equipamentos de proteção pessoal. Métodos de ensaio para calçado
  •          UNE-EN 12568:2011 Protetores de pés e pernas. Requisitos e métodos de ensaio para limites e palmilhas resistentes à perfuração
  •          UNE-EN 50321:2000 Calçado isolante da eletricidade para trabalhos em instalações de baixa tensão

Riscos especiais incluídos noutras normas complementares:

  •          UNE-EN ISO 17249:2014. Calçado resistente ao corte por serra de corrente
  •          UNE-EN 13832-2:2007 e UNE-EN 13832-3:2007. Calçado protetor contra produtos químicos
  •          UNE-EN 15090:2012. Calçado para bombeiros
  •          UNE-EN ISO 20349:2011. Calçado contra riscos térmicos e salpicaduras de metal fundido
  •          UNE-EN 13634:2012. Calçado para motoristas

NORMAS

CLASSES

EXIGÊNCIAS FUNDAMENTAIS

REQUISITOS ADICIONAIS

EN ISO 20345:2011 CALÇADO DE SEGURANÇA PONTEIRA 200 JOULES E COMPRESSÃO 15KN

Classe I SB

S1 = SB + A + E + FO + calcanhar fechado

S2 = S1 + WRU

S3 = S2 + P + sola com saliências

Classe II SB

S4 = SB + A + E + FO

S5 = S4 + P + sola com saliências

EN ISO 20346:2014 CALÇADO DE PROTEÇÃO PONTEIRA 100 JOULES E COMPRESSÃO 10KN

Classe I PB

S4 = SB + A + E + FO

S5 = S4 + P + sola com saliências

Classe II PB

P4 = PB + A + E + FO

P5 = P4 + P + sola com saliências

EN ISO 20347:2012 CALÇADO DE TRABALHO

Classe I OB

O1 = OB + A + E + calcanhar fechado

O2 = O1 + WRU

O3 = O2 + P + sola com saliências

Classe II OB

O4 = OB + A + E

O5 = O4 + P + sola com saliências

RESISTÊNCIA DA SOLA AO DESLIZAMENTO

SRA

S

Solo de teste: cerâmica / lubrificante: água com detergente

≥ 0.32 Plano

≥ 0.28 Calcanhar (calçado inclinado 7º)

SRB

Solo de teste: aço inoxidável / lubrificante: glicerina

≥ 0.18 Plano

≥ 0.13 Calcanhar (calçado inclinado 7º)

SRC

Solo de teste: cerâmica / lubrificante: água com detergente

Ambas condições mencionadas foram requeridas sra + srb

REQUISITOS ADICIONAIS

P

Resistência à perfuração no inferior a 1100N

C

Calçado com resistência elétrica não superior a 100 KΩ

A

Calçado anti estático

E

Absorção de energia no calcanhar no inferior a 20 J.

I

Calzado aislante eléctricamente.

WR

Calçado resistente à água.

WRU

Resistência à absorção e penetração de água

AN

Proteção do calcanhar

M

Proteção metatarsiana..

CR

Resistência aos cortes

HRO

Sola resistente ao calor por contacto

HI

Sola isolante contra o calor do pavimento

CI

Sola isolante contra o frio do pavimento.

FO

Resistência aos hidrocarbonetos

CLASSIFICAÇÃO DO CALÇADO

DEPENDENDO DO MATERIAL

  • Classe I: Calçado fabricado com couro e outros materiais, excluindo o calçado todo-borracha e todo-polimérico
  • Classe II: Calçado todo-borracha (vulcanizado) ou todo polimérico (injetado ou moldado)

DEPENDENDO DO NÍVEL DE PROTEÇÃO

  • Calçado de Segurança: Calçado equipado com um limite resistente a um impacto de 200J e uma compressão de 15 KN. Legislação UNE-EN ISO 20345:2011
  • Calçado de Proteção: Calçado equipado com um limite resistente a um impacto de 100J e uma compressão de 10 KN. Legislação UNE-EN ISO 20346:2014
  • Calçado de Trabalho: Calçado que não garante a proteção contra o impacto nem a compressão na parte frontal do pé, ainda quando incorporar outros elementos de segurança. Legislação UNE-EN ISO 20347:2012

DEPENDENDO DA ALTURA

  • Sapato: A <12,1 cm
  • Bota Baixa: B >12,1 cm
  • Bota Meio Cano: C >19,2 cm
  • Bota Alta: D >30,0 cm
  • Bota Extralonga: E >30,0 cm

*Nota: a bota E, seria uma Bota D + uma extensão

DEPENDENDO DA RESISTÊNCIA ELÉTRICA

Isto é, a sua resistência à passagem da corrente elétrica através dos mesmos, teremos:

  •          Calçado Condutor: Apresentam uma resistência elétrica inferior a 0,1MOhm. Ao ter uma resistência ínfima, será mais adequado para os trabalhos nos quais a produção de faíscas eletrostáticas é crítica, como em ambientes explosivos, altamente inflamáveis, pirotecnia, etc.
  •          Calçado Anti estático: Apresentam uma resistência elétrica entre 0,1 e 1.000MOhm. É o mais comum. Dissipa as faíscas estáticas nos ambientes profissionais.
  •          Calçado ESD.: É calçado anti estático embora com uma resistência inferior à normal. Em conformidade com a legislação UNE-EN 61340-5-1:2016, a resistência à terra deve ser inferior a 35 MOhms. Destinados a ser utilizados de maneira complementar a outros equipamentos dentro das Áreas de Proteção Eletrostática (EPA). Estes ambientes de trabalho surgem durante o fabrico de circuitos eletrónicos nos quais a eletricidade estática pode provocar danos. Os solos, roupa, ferramentas, mesas, maquinaria, ambiente, etc. destas áreas também são ESD. Os equipamentos ESD incorporam um ícone identificativo amarelo e preto.

Calçado Isolante: Apresentam uma resistência elétrica superior a 1.000MOhm. Protege o usuário da descarga de elementos carregados com eletricidade estática